Início > Uncategorized > Gli Specialisti

Gli Specialisti

Os nobres habitantes da cidade de Blackstone entram em polvorosa ao saber que o cavaleiro solitário Hud, cujo irmão foi recentemente linchado e morto na referida localidade, se encontra a caminho. Charlie, o irmão morto, foi envolvido numa trama mal esclarecida de golpe bancário e acusado de roubo. O dinheiro desaparecera e, mesmo prestes a morrer, ele não revelara o destino da grana. A viúva Pollywood, banqueira, é a única que detém a verdade dos fatos, mas usando sua beleza e poder de sedução manipula a todos, com o intuito de manter a verdade submersa e cair fora assim que for possível.

O vingador Hud chega à Blackstone em busca da verdade.

Gli Specialisti (ITA/FRA/ALE, 1969) é daqueles westerns spaghetti que está uns passos adiante dos exemplares do gênero. Afinal, embora a trama seja simplória e careça de maiores implicações e desdobramentos, temos aqui mais uma direção acima da média do grande Corbucci. Ele, como de costume, constrói uma encenação densa, de movimentos vagarosos e elegantes nas habituais tomadas longas e uma precisa justaposição de planos abertos e fechados. Naturalmente cria tensão narrativa. Eu acho praticamente impossível começar a ver um spaghetti do Corbucci e não ir avidamente até o fim. Há contrapontos curiosos e interessantes nesse aqui, como a inclusão de um grupo de quatro adolescentes hippies (!), que perambulam pelos arredores, fumam baseado; azucrinam quando podem, pregando alguma revolução, etc. Terão uma participação importante na insólita sequência final.

O sórdido e cruel bandoleiro El Diablo após o sangrento confronto.

No mais, fica aqui a sensação de que, para além da sempre presente atmosfera sombria e pessimista dos westerns do Corbucci, alguma sutil tristeza penetra no clima geral do filme. Ela está presente na solidão da casa isolada nas montanhas onde vive a belíssima Helba; nos profundos vales montanhosos onde o vento nunca para de uivar; na ânsia desesperada dos habitantes ao se deparar com a destruição definitiva do seu dinheiro; no trágico e sangrento desfecho. Desfecho igualmente poético e desesperançado no que se refere ao enigmático herói Hud. Tristeza, afinal de contas, caractérística de todo bom Spaghetti do Corbucci. Com ele o gênero, como se sabe, foi muito mais além do que o cinismo da paródia fácil e iconoclasta dos sagrados símbolos do clássico western americano.

Anúncios
  1. 10/03/2010 às 19:02

    Se pudesse mudar alguma coisa no filme, anulava a presença dos hippies. Li algures que o Corbucci detestava hippies, mas para quê dar-lhes tanto espaço no filme. Não é um filme fácil.

  2. Cesar Almeida
    11/03/2010 às 19:00

    Gosto até dos hippies! Obra prima!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: